Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

Eu "acardito"

Dia de apresentação do Sporting aos adeptos contra a Roma. Um amigo meu, que me arranjou o bilhete, disse que só devia chegar ao estádio depois das 19h. Passado umas horas afinal já chega às 18h30 e às 17h30 recebo uma mensagem a dizer que já ia a caminho.

Em direção ao estádio começo a receber mensagens de várias pessoas a perguntarem se já tinha chegado e distraído cortei à direita antecipadamente saindo assim fora da minha zona de conforto. Estacionei o carro em terra de ninguém.

Estavam cheios de pressa para entrar no estádio para não perder a apresentação por isso eu cheguei ao estádio sem beber uma única cerveja. Estive 90 minutos mais descontos apenas suportado por uma cola comprada no recinto

Durante a apresentação torci fortemente para que o William e o Ewerton, que se deslocavam em canadianas, não tropeçassem na carpete ou perdessem o equilíbrio ao subir ao palco. As grandes ovações foram para Jorge Jesus com Bruno de Carvalho ao lado e para o Gabriel.

 Próximo de mim tinha uma criança e eu tentei estar o máximo de tempo possível sem dizer asneiras. Acho que durei 5 minutos. Slimani e Carlos Mané marcaram os golos da vitória na baliza mais próxima dos nossos lugares. Do Teo pouco se viu, Naldo esteve bem, Gelson promete e o Totti estava gordo.

Quando fui a Roma não vi o Papa mas já posso dizer que fui a Lisboa e vi Jesus de verde e branco.

 

                              estádio.jpg

 

Areia a mais para o meu polibã

Está um bocadito de vento mas na praia deve estar bom pensava eu. Mal coloquei o protetor solar e uma rabanada de vento cobriu-me de areia. Não bastou muito tempo até que um cão miniatura se aproximar de mim e pensar que eu era finalmente o croquete gigante que tanto tinha pedido na passagem de ano enquanto comia a sua ração com passas.

Tenho a toalha cheia de areia e vou passando o dedo no telemóvel para saber das últimas das redes socias e para limpar o ecrã. Demorei um tempo até perceber quem é que me estava a ligar por causa do visor granulado.  A água que trouxe ganhou um novo sabor que bem pode se tornar na bebida deste verão: Aqua Sands of the Beach in the Evening.   

Não tenho uma camioneta mas cheguei a casa com areia a mais para o meu polibã.

Música, cerveja e brindes

Um festival sem pó e asseado nem parece festival mas havia vários palcos e pessoas em cima deles a tocar por isso devia mesmo ser um.

Movido pela ideia de cerveja gratuita, eu e mais três amigos estivemos fechados dentro de uma sala a tentar resolver um enigma que fizesse abrir o frigorífico com o desejado liquido. Havia vários cadeados, chaves e códigos para descobrir e uma voz para nos orientar. Houve uma altura estranha em que a voz pediu para darmos as mãos o que me fez seriamente questionar se valia a pena essa duvidosa união só para beber uma cerveja. Conseguimos abrir o frigorífico e a cerveja sabia a caipirinha.

Benjamin Clementine foi bem bonito e ao sair ofereceram-me uns óculos escuros e um copo com um líquido. Foi uma miúda gira que me tinha entregado e o meu instinto primário foi o de o receber sem sequer desconfiar que o seu conteúdo era leite com chocolate. A rapariga ainda perguntou se eu queria um saco e tirar uma foto mas gentilmente recusei. Dei um golo porque parecia bem e livrei-me do copo antes que alguém reparasse no tipo que bebe leite num festival.

Relembrei com amigos os belos tempos em que recebíamos bilhetes para ir aos festivais e pus-me a caminho para ver os The Drums. O vocalista tinha todo um vasto leque de movimentos e um casaco com brilhantes. As asiáticas histéricas que estavam ao meu lado adoraram.

De volta ao Pavilhão de Portugal vi as Savages rockarem e no final tiraram-me uma foto com uma VIP desta vida. Recebi um stick que emitia luzes e fui mostrar os meus atributos de dança com os Bombay Bicycle Club. Houve um inglês que tinha um tipo de dança muito expansivo que alguém não gostou o que provocou uma zaragata europeia mas que felizmente foi de pouca dura. Havia um tipo ao meu lado aos saltos com as mãos no seu colete.

De volta ao Pavilhão Atlântico vi dEUS nas últimas e um grandíssimo concerto dos Blur com a chamada de um fã para cantar um refrão e uma música dedicada à Grécia. No final livrei-me do stick porque parecia um toni.

 

                              sbsr.jpg

  

Onde pára o jogador?

O mercado de transferências está aberto e existe criatividade aos molhos para encher os jornais desportivos. Há jogadores que já estão praticamente contratados mas que nunca chegam perto do clube em questão. Outros até aterram no país, curtem a noite e acabam por voltar sem acordo.

É a altura ideal em que a notícia de um jogador finlandês a jogar na segunda liga húngara esteja prestes a ingressar num grande do futebol português seja considerada válida. Os photoshopers desta vida aparecem em grande destaque nas redes sociais e até nos jornais.

Existem familiares que confirmam transferências e outros que não aprovam mas no final quando são oficialmente confirmadas vem pedir desculpa. A mulher pode ou não acompanhar o jogador. Seguindo-me pelas últimas transferências sinto que apesar de ser demasiado velho para começar uma carreira futebolística ainda sou muito novo para ser jogador do FC Porto.

No meu entender os programas de debate desportivo nesta altura deviam ser constituídos por uma vidente que lançava as cartas a cada possível transferência, um ávido frequentador de tabernas acompanhado da seu copito de vinho e um funcionário do aeroporto de Lisboa e outro do Porto para informar se o jogador está ou não a caminho.

Toni, o Grego

Será que a Grécia sai da zona euro de vez ou só por um bocadinho ou então conseguirá o acordo que agrade a grecos e troianos? Estas são as perguntas que têm marcado os serviços informativos nos últimos tempos.

Nestas últimas semanas já houve várias reuniões, um referendo grego, a demissão do casual motard Varoufakis e até encontraram fotos deles da altura em que tinha cabelo.

Eu que tenho acompanhado hora a hora as últimas notícias e apesar de nunca ter visitado o país, sinto que consigo adquirir nacionalidade grega sem grandes dificuldades. Aliás o meu almoço será uma salada grega acompanhada por um copo de Ouzo enquanto contemplo uma foto do Partenon e no final partirei o prato ao som de Vangelis.

 

Nunca mais jogo à sueca

Estou sentado e preparado para a final do campeonato europeu de sub-21 entre Portugal e a Suécia. Ao meu lado tenho uma revista Vidas para os momentos de menor interesse. Parece que vai começar a eleição dos mais Sexy CM.

Na seleção sueca quase todos os jogadores são louros e os que não são de origem lembraram-se de fazer madeixas. O selecionador tinha um écharpe. Este jogo é para ganhar.

Portugal até começou bem, a dominar o jogo e a ter oportunidades de golo com Sérgio Oliveira a acertar no poste mas não conseguiu concretizar. Ao que parece os suecos são bons a montar móveis e a armadilha do fora de jogo porque o Cavaleiro era constantemente apanhado nela.

Na segunda parte Portugal já começa a perder o gás e a Suécia começa a aparecer. Se eu tivesse algum vinil dos ABBA já tinha voado pela janela. O jogo vai para prolongamento.

Recomeça o jogo e a Suécia está na mó de cima e o meu stress vem ao de cima. Se estivesse frio já tinha feito uma fogueira com a minha cómoda do IKEA.

Final do prolongamento mas o sofrimento se prolonga pelos penalties. William Carvalho falha o último penaltie e o campeonato vai para o suecos. Nunca mais jogo à sueca.

Cenas que me fazem comichão

Ir ao McDonalds é uma autêntica experiencia “do it yourself”. Na entrada existem máquinas onde podes fazer o pedido, quando o recebes tens que pedir ketchup senão ficas sem ele, depois vais em busca do sítio onde estão colocadas as palhinhas e os guardanapos que muitas vezes se encontram nos sítios mais recônditos e quando acabas de comer ainda despejas o tabuleiro.

Qualquer dia registas o teu pedido e entras na cozinha onde terás os ingredientes à tua disposição para puderes o cozinhar e um panfleto com dicas uteis de cozinha. Recebes como oferta a toca transpirada que acabaste de usar.

Programar um despertador já é por si uma tarefa bastante desagradável não era preciso agravar com a função que calcula quanto tempo falta até ele tocar. Assim fico a saber que só vou dormir 3 horas e 17 minutos por causa dos concursos de madrugada da TVI.

Os pacotes de açúcar da Nicola incentivam a dar os bons dias aos portugueses a viver no estrangeiro mas não indica a data da contagem dos mesmos. Como é que eu sei se ainda lá continuam os 5 portugueses no Quirguistão e o solitário no Sudão? É logo um desperdício de bons dias no início do dia e eu pela manhã não sou de grandes palavras.

Regresso ao trabalho

Numa altura em que a maioria das pessoas ainda anseia pelas férias eu já tive parte das minhas e o regresso é sempre doloroso. O descanso claramente não foi suficiente porque ainda sei o caminho para o trabalho.

O computador diz que a password expirou o que significa que logo para começar vou ter que inventar uma que tenha não sei quantos carateres com números e símbolos pelo meio. Já estou exausto vou beber um café. O café contínua igual.

Abro o Outlook e uma maré de mails vem na minha direção. O mar não estava brilhante, só deu para aproveitar 3 ondas. Posso muito bem ter ganho um novo tique de tanto carregar no rato. Estou exausto vou beber mais um café.

Pelos corredores tento saber as últimas novidades mas nada de palpitante. Nas notícias o futuro da Grécia é incerto, existem possíveis transferências de possíveis jogadores e o equipamento alternativo do FC Porto é de fato bastante alternativo. Estou exausto vou beber mais um café.

Depois do dia de trabalho como ainda não estou devidamente recuperado do choque ponho a tocar músicas mais calmas dos Radiohead, Toy e dos The Horrors. Mas calma, Toy a banda inglesa não o cantor sentimentalão português que costuma conduzir só com o joelho. Não estou assim tão deprimido.

Gosta muito de sofrer o Leãozinho

A minha primeira vez a ver um jogo no Estádio Nacional. Nas imediações do estádio há quem faça piqueniques, existe um primo do Tanaka e uma cabeça de leitão com a camisola do Benfica a circular.

No interior o lugar quatro da fila vinte estava reservado para o que iriam ser mais de cento e vinte minutos de intenso sofrimento. Logo no minuto quinze Cedric faz penaltie, é expulso e o Éder marca. Dez minutos depois Rafa faz o segundo para os bracarenses. Isto vai ser complicado.

As asneiras começam a fluir da minha boca, os jogadores do Braga fazem várias faltas mas o árbitro parece que se esqueceu dos cartões amarelos em casa. Devem ter ficado a marcar as páginas do seu livro de cabeceira “Árbitros para TóTós”. O Sporting bem ataca mas o intervalo chega e nem conseguem marcar um golito.

Início da segunda parte e o jogo não parece melhorar. O tempo vai passando e já existem pessoas que desistem do jogo mas ao minuto oitenta e quatro Slimani marca e dá esperança. O stress é tanto que até me esqueço que tenho fome e vontade de ir ao wc. Já nos descontos Montero empata o jogo e já estou em cima da cadeira aos pulos e a cumprimentar os amigos e vizinhos. Há quem não se sinta bem, para ser do Sporting é preciso um grande coração.

No prolongamento não há golos, o jogo vai a penalties e logo na baliza mais distante do sítio onde estou sentado. São Patrício mesmo lesionado defende um, os jogadores do Braga falham dois e a taça é nossa! Se um dia tiver um filho irá se chamar Rui Slimani Montero.

Ser do Sporting é sofrer até ao fim. É complicado mas é para toda a vida.