Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

A manhã em que vi toda a net

O primeiro despertador tocou às seis e um quarto. Dormi pouco ou nada. Se calhar não devia ter visto os Xutos a noite passada. Não quero sair da minha alegre casinha.

No trabalho pouco ou nada acontece. Já vi os meus e-mails do trabalho, do Sapo, do Outlook e do Gmail. Quase que respondi a um tal de Gregory que afirma que tenho direito a uma herança. Tenho o Facebook e o Twitter abertos mas nada de extraordinário acontece. Eu é que não me lembro da password, senão também teria ido ao Hi5.

Já bebi pelo menos dois cafés. Quase que agradeci a máquina pela cafeína que disponibilizou a troco de moedas.  

Fiz pesquisas no Google, Bing e Yahoo, viajei por Berlim sem sair da cadeira, procurei pelas últimas novidades de filmes e séries, consultei as últimas transferências no futebol e as respetivas mulheres dos futebolistas e ainda procurei por um emprego como controlador de areia em Bora Bora.   

Consegui terminar o turno sem aterrar com a cabeça no teclado. Muitas mais coisas eu vi pela internet, mas que apenas ficaram registadas no histórico, que eu esqueci-me de apagar. Consegui terminar o dia sem aceitar nenhum desafio no Facebook.

 

 

                                                         internet.jpg

 

Vou apanhá-las todas

Dia de procurar caches na Serra de Sintra. Como a área é bastante grande, o pessoal que cria as caches aproveita para as instalar em sítios bastante complicados. Não é de admirar se a descrição de uma cache seja algo do género: “Ninho de águia. Poderá ter que lutar com o animal e/ou dar de comer às crias.”

Num circuito criado pela malta do BTT, encontrámos uma cache em forma de caixa de música da Looney Tunes. A música estava assustadoramente alterada e o Bugs que saía dela já nem conseguia por as orelhas de pé. De noite a música e o ranger constante de uma árvore das redondezas provocaria tanto ou mais medo que o Blair Witch.

Outra cache estava situada onde, reza a história, o corpo de Júlio foi encontrado. Depois de atravessarmos uma quantidade considerável de silvas avistámos uma clareira onde estava um ténis “ensanguentado” com a cache. Pobre Júlio, dado o sítio onde foi encontrado, deve ter sido assassinado por uma Júlia Pinheiro desta vida.      

Encontrar uma cache no meio de uma considerável quantidade de calhaus não é tarefa fácil. Como pista havia uma foto de calhaus, que não era de todo uma grande ajuda. A queda do telemóvel, que nos mostrava o caminho, entre pedregulhos foi um claro sinal que o melhor era desistirmos. O telemóvel sobreviveu. Foi uma chamada divina.

No final dez caches foram encontradas, o telemóvel resistiu mas o Júlio morreu. Não tivemos direito a sequer uma queijada pela nossa proeza.

 

 

                                              geocache.jpg

 

Nos Olímpicos foi tudo legal

Os Jogos Olímpicos chegaram ao fim e foram dias bem passados. Só na altura dos Jogos é que dou por mim a ver badminton, ténis de mesa e natação sincronizada sem mudar de canal. No badminton é algo inglório ver um atleta aplicar toda a sua força na raquete para certar num volante que acaba por travar no ar. O ténis de mesa faz-me lembrar os tempos de escola e o pouco jeito que tinha e há algo de relaxante em ver as pernas fora de água das atletas da natação sincronizada. Fico também bastante impressionado com o jogo de cintura dos atletas da marcha. 

As provas de ginástica também têm muito que se diga. Ver uma chinesa a fazer acrobacias com uma bola, ao som de Whitney Houston, pode ser algo assustador. Vi também um norte-coreano a vencer a medalha de ouro mas a permanecer impávido e sereno. Deve se ter lembrado que não faltava muito para voltar o seu país. Só nos Jogos é que me lembro que o Palau, Nauru, Tuvalu e Vanuatu são países.

Houve pedidos de casamento, uma piscina com água verde, quem se atirasse para a meta e quem tenha acabado a maratona a correr de lado. Houve atletas assaltados e um falso assalto made by americans. O nadador Lochte, já com outra cor de cabelo, depois de descoberto acabou por pedir desculpas, afirmando que não mentiu mas que apenas exagerou na história.

Phelps, Bolt e a Simone Biles acabaram que por ser os atletas com mais medalhas arrecadadas. O Bolt ganhou também novas fotos de perfil para o facebook, da altura em quem sorriu para os fotógrafos em plena prova. A nossa grande Telma Monteiro levou o bronze para casa. Não me importava de ser atirado ao chão por ela.

Vou ter saudades de ficar acordado até tarde para ver os olímpicos e andar a mudar da RTP1 para a RTP2 e vice-versa, acabando por não ver as provas que queria. Vou já começando a preparar o sofá e o comando para Tóquio 2020.

 

 

                                     jo.jpg

 

Jogos Olímpicos no trabalho

Os Jogos Olímpicos não se passam apenas no Rio de Janeiro. No local de trabalho também existem disponíveis várias modalidades.

Os 10 metros bebedouro é uma prova que requer alguma velocidade quando a pausa laboral é pequena. No final é recompensado com água exatamente à temperatura que pretende, isto claro se o bebedouro assim o entender.

Se tiver pressa e não lhe apetecer levantar-se, sempre pode realizar uma corrida de cadeiras. Há que fazer os possíveis para se manter na sua pista para evitar colisões.

O lançamento de cenas para o caixote do lixo pode ser um desporto bastante entusiasmante mas se corre mal, o ato de levantar e ir apanhar já não é tão engraçado.

Qualquer altura do dia é boa para o levantamento da bolacha. Desde bolachas Maria, passando pelas tostadas ou até mesmo pelas recheadas, qualquer tipo de bolacha é boa para a prática da modalidade. Há que ter bastante cuidado para não ficar dependente de bolachas de canela.

É preciso um número considerável de fatores estarem reunidos para prática da modalidade mas quando tal acontece, o bocejo sincronizado pode ser algo de mágico ou só apenas deprimente.

Existem controlos antidoping, para o empregado não consumir demasiadas doses de cafeina e quando o turno termina, qualquer atleta se transforma num Bolt desta vida em direção à saída.

 

 

                                    jo.jpg

 

Sozinho em casa

Oscar, o labrador que me usa como principal lançador de bolas, está de férias. O meu vizinho e as suas crianças estão de férias. Não sei o que vou fazer com tanta tranquilidade.

Posso começar por finalmente escrever as minhas memórias. Desde a altura em que escrevia quadras com as palavras espiga e farinheira para oferecer a uma colega de escola até ao começo da minha vida por turnos que é bem difícil e complicada.

Como uma viagem a Berlim está a se aproximar, posso tirar um curso de alemão. Ver e rever os filmes ”Das Boot”, “Der Untergang”, “Lola Rennt” e todas as temporadas do "Rex, o Cão Polícia". Falar sempre como se estivesse bastante chateado. Cuspir ocasionalmente.

Em altura de Jogos Olímpicos posso ver todos os jogos de ténis de mesa, badminton e natação sincronizada. Nos próximos Jogos estarei preparado para fazer os comentários dessas modalidades na RTP.

Com os filhos do meu vizinho fora, o meu computador vai deixar de tocar músicas da Xana Toc Toc, do Agir e os hinos dos três grandes do futebol. Posso guardar os ténis que só uso para chutar a bola ao Oscar.

 

 

                                     jardim2.jpg

 

Eu sobrevivi ao videoclip do Carlos Costa

Estava eu muito bem a trabalhar por turnos quando um colega começou a falar de um vídeo do Carlos Costa. Como não me bastava as desgraças dos fogos pelo país, tinha que ver outra por isso fiz play e coloquei em ecrã inteiro para o resto do pessoal ver. Comecei a ver o videoclip sem som e rapidamente passei de António para atónito. Só quando o vídeo ia a meio é que consegui arranjar forças para fechar a janela. Se o filme “The Ring” fosse com o Carlos Costa a sair da televisão no final do vídeo, seria bem mais assustador.

Como tenho os problemas que tenho, quando cheguei a casa fui ver o vídeo na íntegra e com som.  A música chama-se ”Tequila” e por isso faz todo o sentido que ele se passe a chamar Carlos Cuesta. E perguntam vocês o que rima com tequila? Chinchila, vanilla e Godzilla e tudo isso aparece no videoclip. Há animais de laboratório que sofrem bem menos que a pobre da chinchila.

Há bastante bonecada, o cantor e bailarinos estão vestidos numa espécie de fato de banho do chinês e praticam o gira a garrafa. Carlos aparece nu e vestido com feno mas que infelizmente não arde. Se és surdo fica descansado porque existe o quadrado da senhora da língua gestual. Isto pode muito bem ter arruinado para sempre os meus shots de tequila…

 

                        

 

O Esquadrão Suicida português

O filme “Esquadrão Suicida”, sobre um grupo de vilões obrigados a salvar o mundo em troca de sentenças reduzidas, já está nos cinemas mas creio que a versão portuguesa teria muito mais piada.

O Deadshot, o assassino que nunca falha um tiro, seria representado por Vale e Azevedo, que por todos os sítios onde passou nunca deixou de levar o “seu”. Killer Croc, o vilão que tem um grave problema de pele que o torna semelhante a um crocodilo, seria interpretado pelo verde Ricardo Salgado que está mais do que habituado a se mover pelos pântanos financeiros em seu favor.

O Capitão Boomerang seria representado pelo homicida mais conhecido por Palito, que em vez de atirar boomerangs atiraria palitos mortais e El Diablo, o criminoso que controla o fogo, teria uma desta bestas acéfalas, que propositadamente põe Portugal a arder, no seu lugar.

Haveria também o mediático Joker Sócrates, que apesar de todas as ilegalidades cometidas, mantem a sua legião de seguidores e tem uma relação bastante complicada com a louca e imprevisível CMTV, que não olha a meios para conseguir o que quer.

Brevemente numa sala de cinema perto de si.

 

Meu querido mês de agosto

Meu querido mês de agosto

Em que passo os dias a trabalhar

Trago olheiras no rosto

Meu querido mês de agosto

E trago café para ajudar

Meu querido mês de agosto

Em que passo os dias a trabalhar

Trago protetor no rosto

Meu querido mês de agosto

Para a luz dos monitores não me queimar

 

Já passaram tantos dias

Já passaram tantas horas

E eu ando louco para folgar

Pela internet já vi de tudo

Na praia está meio mundo

E eu ando louco para folgar

De descansar eu bem preciso

Na entrada a tolha vou estender

Para o sol e os colegas receber

E ser o primeiro a fugir para o paraíso

 

Meu querido mês de agosto

Em que passo os dias a trabalhar

Trago desânimo no rosto

Meu querido mês de agosto

E tomei umas cenas para acalmar