Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

Wait aí uma beca

A minha vida não é fácil

16.Jul.18

Sexta-feira 13: O Musical

Dia de  Alive. Já era o meu terceiro festival este ano e nos anteriores apanhei uma molha. Não estava prevista chuva mas havia nuvens no céu e era uma sexta-feira treze. Arrisquei e saí de casa sem um impermeável.

Das nuvens não caia água mas enfrentei um mar de gente no recinto. Parecia quase impossível encontrar alguém no local e a possibilidade de perder quem ainda há três segundos estava ao teu lado é alta mas mesmo assim há sempre corajosos. É preciso ser um autêntico Vasco da Gama para encontrar alguém no meio da multidão durante um concerto.  

Dirigi-me ao palco Sagres para ver Eels. Estava um público mais maduro a assistir ao concerto. De costas uma senhora até parecia uma empregada dos meus vizinhos. Havia um tipo com um pano azul-bebé na cabeça e ao lado dele, uma miúda que não parava de abanar o que a ele lhe faltava. Grande concerto de Mr. E e companhia.

Depois foram filas para comer, filas para ir ao w.c. e tentar chegar ao palco principal para ver The National. Pelo meio um grupo de ingleses cantava de uma maneira que até parecia que estavam na final do Campeonato do Mundo.

Matt Berninger parecia estar mais calmo e a beber menos do que o habitual em outros concertos, até à altura em que decidiu ir buscar uma cerveja à barraca que estava ao lado do palco. O maior.

Antes de entrarem os Queens of the Stone Age começa a tocar o “Singing in the Rain”. Felizmente S. Pedro não respondeu ao chamamento. O único banho da noite que acabei por receber foi de um tipo que achou por bem começar aos saltos com o copo cheio na mão. À terceira foi quase de vez.         

 

             alive.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.